SCCON

https://www.sccon.com.br/

A  SCCON – Santiago & Cintra Consultoria  é uma empresa de Tecnologia do Segmento Geoespacial que desenvolve e fornece soluções com imagens de satélite, serviços de classificação e mapeamento temático, e plataformas de processamento automático.

 

Senise e Paiva Advogados

https://senisepaiva.com.br/

Senise Paiva nasceu com o propósito de trabalhar o Direito Ambiental como uma ferramenta de gestão, seja para empresas, instituições diversas ou pessoas físicas, proporcionando um olhar técnico e jurídico diferenciados aos seus clientes.

Sua história segue as trajetórias de seus sócios fundadores. Em 1990, Walter Senise, dava os passos iniciais na área ainda recente e inovadora do Direito Ambiental, com oportunidade na coordenadoria das promotorias de meio ambiente de São Paulo, seguindo com trabalhos em empresas de consultoria técnica, em órgão ambiental estadual (SMA/CETESB),  e em renomadas bancas da advocacia.  Junto com Diogo de Mello Paiva Ferreira, colega de longa data, também especializado na área do Direito e Gestão Ambiental, e com relevantes e reconhecidos trabalhos desenvolvidos nessa área, fundaram a Senise Paiva, sendo a prática do escritório reconhecida e registrada por importantes publicações especializadas.

Com a chegada de novos integrantes, o escritório busca fomentar o desenvolvimento de talentos, com respeito à diversidade, formas inovadoras de se pensar o Direito Ambiental e a entrega de soluções inteligentes e personalizadas, sem desviar de seu objetivo principal: prestar um serviço jurídico de excelência, associado a uma visão técnica diferenciada para a resolução das demandas de seus clientes e parceiros.

Sistema Famato

https://sistemafamato.org.br/

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) é uma das 27 entidades sindicais de grau superior que integra a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Criada em 1965, a Famato representa todos os Sindicatos Rurais de Mato Grosso, que hoje somam 93, sendo a principal porta-voz do Sistema Sindical Rural do Estado. A Famato também representa mais de 33 mil produtores em Mato Grosso.

A Famato tem seu trabalho focado no desenvolvimento sustentável do agronegócio, produzindo informações estratégicas para orientação, na articulação política institucional e na disseminação de know-how para os produtores rurais.

 

OAB Mato Grosso

História da OAB Seccional Mato Grosso

“A primeira notícia encontrada sobre a presença de advogados em Mato Grosso data do século XVIII, mais precisamente durante o período em que o território mato-grossense pertencia juridicamente à capitania de São Paulo (1719-1748) (…)”.

(SIQUEIRA, Elizabeth Madureira, “Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso 70 anos – trajetória, construção e luta – 1933-2003”, 1992, obra não publicada, p. 5)

 

1 – Primeiro curso de Direito em MT

No Século XVIII os advogados eram personalidades importantes e por serem pessoas cultas, escreveram anais do Senado da Câmara de Cuiabá e de Vila Bela da Santíssima Trindade, primeira capital de Mato Grosso.

A criação da Capitania de Mato Grosso exigiu a nomeação de juristas para atuarem na nova administração, a partir de 1750. À época, os advogados vinham de outros estados como Minas Gerais e São Paulo. Em 1934 foi criada a Escola Livre de Direito de Cuiabá, que funcionou até 1937 e foi fechada pelo Estado Novo porque a nova legislação não permitia aos funcionários públicos exercerem função de docentes.

Entre as várias tentativas de instalar a faculdade, passaram-se alguns anos, até que em 1956 o curso foi autorizado pelo Decreto nº 120, de 5 de setembro de 1956. Os primeiros bacharéis a se formarem em Cuiabá foram diplomados em 1961, sendo muitos deles de famílias tradicionais do Estado.

A Universidade Federal de Mato Grosso só foi criada em 1970 (Lei Federal nº 5.647/70) à qual foi incorporado o curso de Direito, além de outros já existentes, como Filosofia, Ciências e Letras.

 

2 – Formação da OAB/MT

A primeira movimentação para a criação da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil iniciou em 1932. A ata da Assembleia Geral dos Advogados, realizada em 22 de março desse ano, registra a eleição da primeira diretoria para constituir a OAB/MT, e foi publicada no Jornal Gazeta Official, nº 6659, de 18/11/1933, ps. 6 e 7 – APMT.

A sessão foi presidida pelo então desembargador José Barnabé de Mesquita, considerado à época autoridade máxima na instância do Judiciário.

Foram eleitos para presidente o desembargador aposentado Salvador Celso de Albuquerque; para vice-presidente, Antônio Garcia Adjunto; para 1º secretário, João Vilasboas; para 2º secretário, desembargador aposentado Manoel Pereira da Silva Coelho e para tesoureiro, Euphrasio da Cunha Cavalcanti.

Assim após a instalação da diretoria criou-se um livro para registro dos compromissos dos advogados que passariam a constituir a nova Secção da OAB. Conforme os registros, o primeiro advogado a se inscrever na OAB de Cuiabá foi Salvador Celso de Albuquerque, o presidente eleito para a Diretoria.

Inicialmente, a estrutura da OAB/MT era formada pelos principais cargos de diretores e aos poucos cresceu com a criação das comissões. A Diretoria de 1941-1943 iniciou essa fase com as Comissões de Sindicância e de Disciplina.

E a primeira Comissão de Seleção e Prerrogativas está registrada como tendo sido criada na Diretoria de 1969-1971. Porém, em 1988 foi editada a Resolução nº 001, de 22 de junho de 1988, que cria oficialmente a comissão de mesmo nome no 1º Congresso Estadual dos Advogados Mato-grossenses.

Esta mesma comissão veio a ser transformada mais tarde no Tribunal de Defesa das Prerrogativas da OAB/MT, destinado a defender e prestar assistência aos advogados inscritos na OAB/MT, sempre que estes sofrerem restrições ao livre exercício de sua profissão e, quando tiverem as suas prerrogativas feridas.

No decorrer dos anos, foram criadas novas comissões abrangendo as mais diversas áreas do Direito. Atualmente, a OAB/MT possui 40 Comissões Temáticas.

 

3 – OAB/MT na defesa da Democracia

A luta da OAB Nacional em prol do constitucionalismo e contra os abusos do militarismo no Brasil também foi travada em Mato Grosso, onde houve perseguições e prisões de advogados na ditadura militar, com muita resistência por parte da OAB/MT. Entre as maiores preocupações estava a garantia da liberdade dos advogados no exercício da profissão.

Em 1964 “as notícias sobre a movimentação nacional, especialmente aquela ocorrida no Rio de Janeiro, eram veiculadas e repassadas ao Conselho Seccional da OAB-MT pelo representante da entidade junto ao Conselho Federal. Nessa época, o Conselheiro Federal, Ernesto Pereira Borges foi, por muitas vezes, porta-voz dos acontecimentos políticos e que envolviam violência explícita contra advogados.” (op cit, p.168)

Decisão do Conselho Federal estipulou que os advogados que tivessem seus direitos políticos suspensos ou cassados não estavam proibidos de exercer a profissão“devendo a Secretaria fazer divulgar esta decisão (fl. 57v) por circulares aos Juizes de Direito do Estado ou pela Imprensa Oficial” (Livro de Atas do Conselho Seccional, 1961-66, fls. 57v, 58f)

Muitos casos foram relatados em Mato Grosso, como a prisão do advogado Dercy Gonçalves, da Comarca de Barra do Garças, que foi recolhido à cadeia e depois removido para o 16º Batalhão de Caçadores, em 1970, ficando incomunicável. No mesmo período, o advogado Silva Freire também permaneceu preso e sem nenhum tipo de comunicação externa.

O assunto foi levado ao Conselho da OAB/MT que o apresentou ao Conselho Federal, gerando um repúdio à ação do Comando do 16º BC em não receber os advogados dos presos. Na mesma sessão do Conselho Seccional, outra prisão foi anunciada, em Santo Antônio do Leverger, do advogado Luís Carlos Ribeiro, em desrespeito ao Estatuto da OAB.

E se seguiram diversos relatos de violência contra advogados no decorrer da década de 70. Em 1977 foi relatado o ocorrido com o advogado Celson Mendes Quintella, em Campo Grande, que “foi duramente maltratado pela Polícia do DOPS, no Hotel Excelsior, tendo sido inclusive furtado em R$ 16.000,00” (Livro de ata 1975-1881, fl. 52v).

Neste caso foi emitida uma nota de desagravo, conforme trecho:

“(…) A Ordem dos Advogados do Brasil é infensa a toda modalidade de violência, parte de onde partir. Pela razão natural de sua existência, a Entidade tem na ordem, na paz e na defesa permanente dos direitos individuais os seus grandes objetivos. (…)

Portanto, esse Conselho não pode se omitir diante da arbitrariedade, da violência e do crime praticados exatamente por aqueles que têm a missão de preservar desses males o indivíduo e a sociedade. Diante do exposto resolve: a) protestar, de modo veemente, contra a virulência da ação policial enfocada; b) hipotecar irrestrita solidariedade ao colega vilipendiado; c) determinar a instauração do competente processo-crime contra o Tenente (…) pela ofensa à classe dos advogados. Sala das Sessões, em Cuiabá, 30 de setembro de 1977. (Livro de Ata, 1975-1981, fl. 53)

Assim, outros fatos ocorridos em cidades como Cáceres, Alta Floresta, não apenas de violência contra advogados, mas também contra grupos de cidadãos, como os seis mil garimpeiros expulsos de suas terras por atos arbitrários de agentes da Polícia Federal deslocados de Brasília para Alta Floresta, geraram novos desagravos e manifestações do Conselho da OAB/MT junto ao Conselho Federal e autoridades.

 

4 – Subseções

Na história da OAB/MT destacam-se dois períodos, cuja trajetória seguiu no sentido de expandir a representação em todo o Estado para uma atuação mais fiscalizadora em face dos maus profissionais; e apoiadora na defesa dos advogados aviltados por autoridades públicas.

Mato Grosso era uno e em um primeiro momento, na década de 30, havia apenas duas subseções: a de Cuiabá e a de Campo Grande, sendo a sede fundada em Cuiabá.

Em 1977 a Resolução nº CS 0013/1977 cria a primeira identificação numérica das subseções existentes no Estado de Mato Grosso, quais sejam:

·         1ª Subseção da OAB de Corumbá – MT;

·         2ª de Campo Grande-MT;

·         3ª de Três Lagoas;

·         4ª Aquidauana;

·         5ª Dourados;

·         6ª Rondonópolis;

·         7ª Barra do Garças e

·         8ª Cáceres.

 

Nesse mesmo ano ocorreu a divisão do Estado e a Seccional da OAB Mato Grosso ficou com apenas três subseções, das oito existentes: Rondonópolis, Barra do Garças e Cáceres.

A OAB/MT deu todo respaldo para a sua antiga subseção que passou a fazer parte do recém criado estado de Mato Grosso do Sul e procedeu à eleição da primeira diretoria da Seccional da OAB/MS para o biênio 1979 – 1981.

Desde então foram criadas novas representações em todas as regiões pólo do Estado e atualmente são 29 Subseções que abrangem os municípios próximos. Clique aqui para acessar os sites das subseções.

 

5 – Galeria de Ex-Presidentes

Galeria de Ex-Presidentes
Salvador Celso de Albuquerque
Gestão 1933-1935 (in memoriam)
Benjamin Duarte Monteiro
Gestão 1935-1937 (in memoriam)
Ernesto Pereira Borges
Gestão 1937-1939 (in memoriam)
Oscar Corrêa Pina
Gestões 1939-1955 (in memoriam)
Frederico Vaz de Figueiredo
Gestão 1955 – 1957 (in memoriam)
Hélio Pimenta Ribeiro
Gestão 1957 – 1959 (in memoriam)
Eurycles Motta
Gestão 1959 – 1961 (in memoriam)
Gervásio Leite
Gestão 1961 – 1963 (in memoriam)
Alcedino Pedroso da Silva
Gestão 1963 – 1965 (in memoriam)
Salvador Pompeu de Barros Filho
Gestão 1965 – 1967
Milton Armando Pompeo de Barros
Gestão 1967 – 1969
Agnelo Bezerra Neto
Gestão 1969 – 1971 (in memoriam)
Sebastião de Oliveira (Dr. Paraná)
Gestão 1971 – 1973 (in memoriam)
Djalma Metello Duarte Caldas
Gestões 1973 – 1977
Agenor Ferreira Leão
Gestão 1977 – 1979 (in memoriam)
Amaral Augusto da Silva
Gestão 1979 – 1981
Anibal Pinheiro da Silva
Gestão 1981 – 1983
Munir Feguri
Gestão 1983 – 1985
Benedito Sant’Ana da Silva Freire
Gestão 1985 – 1987 (in memoriam)
Benedito Flaviano de Souza (in memoriam)
Gestão 1985-1987
José Simioni
Gestão 1987 – 1989
Renato Gomes Nery
Gestão 1989 – 1991
Rubens de Oliveira Santos Filho
Gestões 1991 – 1993 e 1998
Maria Helena Gargaglione Póvoas
Gestões 1993 – 1997
Ussiel Tavares
Gestões 1998 – 2003
Francisco Anis Faiad
Gestões 2003 – 2009
Cláudio Stábile Ribeiro
Gestão 2010-2012
Maurício Aude
Gestão 2013 – 2015
Leonardo Pio da Silva Campos
Gestões 2016-2018 e 2019-2021

(fonte: SIQUEIRA, Elizabeth Madureira, “Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso 70 anos – trajetória, construção e luta – 1933-2003”, 1992, obra não publicada)

V Conferência Nacional de PCHs e CGHs

V Conferência Nacional de PCHs e CGHs

Dias
Horas
Minutos
Segundos

Patrocínio Platina

Patrocínio

Realização

O ambiente de fomento das

PCHs e CGHs

Palestrantes

Autoridades dos Governos e Líderes do setor

Sessões Plenárias

Painéis com líderes de mercado e autoridades

Conteúdo técnico

Conteúdo aprofundado e experiência prática

Exposição

Serviços, soluções e tecnologia

Networking

Todo o setor de PCH e CGH está presente

Pautas políticas

Cenários regulatórios e mercadológicos

Um evento focado em pequenas centrais geradoras hidrelétricas para compartilhar conhecimento e fazer negócios

A Conferência Nacional de PCHs e CGHs reúne os principais atores envolvidos com o setor, como empreendedores, autoridades do governo e especialistas. O evento é composto por sessões que abordam aspectos regulatórios, socioambientais, econômicos e políticos da implantação e operação de PCHs e CGHs.

O evento tem como objetivo fomentar o debate técnico e comercial no setor de CGHs e, para isso, distribui sessões técnicas e sociais em um ambiente de troca de conhecimento e fomento de negócios.

0 %
Avaliaram o conteúdo como "Excelente ou Bom"
0 %
Pretendem participar da próxima edição
0 %
Recomendam este evento a outros executivos

Todo o setor

reunido

500 participantes

A Conferência reúne representantes do governo nas esferas federal, estadual e municipal, empreendedores de PCHs e CGHs, técnicos e executivos do setor, cadeia de produtos e serviços para hidrogeração, executivos das instituições bancárias, de fomento e seguros, advogados e consultores e associados da ABRAPCH.

sessões de conteúdo

O principal encontro do setor é o palco para troca de experiências em um ambiente que apoia a tomada de decisões de empreendedores e facilita o aprendizado e debate de temas em pauta para o fomento do setor de PCHs e CGHs. Além disso, criou é um ambiente tradicional e que incentiva o networking, a efetivação de novos negócios, a reunião de amigos e a reflexão sobre o futuro das PCHs e CGHs.

palestrantes

Nas mesas de discussões estão presentes as principais geradoras, autoridades dos governos e grandes players. Os debates acontecem com sessões simultâneas, técnicas e executivas, que abordam os temas relevantes para o desenvolvimento do setor de PCHs e CGHs em um local propício à troca de conhecimento e fomento de negócios.

Uma plataforma de
conhecimento e networking

histórico

Vídeo da 1ª Conferência

Vídeo da 2ª Conferência

Conteúdo programático

Temas 2022

Ambiente Regulatório

O que está em pauta nos órgãos legislativos e reguladores

Projetos de lei

Advocacy e projetos que envolvem o setor

Socioeconomia

Stakeholders e comunidades envolvidas

Segurança de Barragens

Plano de segurança, plano emergencial e seguro

Modernização do Setor

Perspectivas para PCHs e CGHs

Responsabilidade Ambiental

Portos, terminais e hidrovias

Licenciamento Ambiental

Código Florestal, aspectos fundiários, biossegurança e patrimônio genético

Aproveitamento hidrelétrico

Envolvimento do consumidor, práticas internacionais e legislação

Royalties e municípios

Sistemas florestais, silvicultura e programas ambientais

Os principais players

patrocinam a Conferência Nacional

PROGRAMAÇÃO

23 de março de 2022

08:00

Abertura do credenciamento

08:30​

Abertura

Sessão 1.1.1 - 23/03 - 08:30

Palavras de boas vindas

08:50

HOMENAGEM AO DEPUTADO LAFAYETTE DE ANDRADA - PRESIDENTE DA COMISSÃO PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DAS PCHs E CGHs

Sessão 1.1.2 - 23/03 - 08:50

09:00

Painel 1

Sessão 1.1.3 - 23/03 - 09:00

Modernização do Setor Elétrico Brasileiro

O desafio da nova década – Como levar a termo a necessária modernização do SEB, em ambiente político e econômico de recessão, convivendo com a pandemia, o crescimento das fontes renováveis, a necessidade de viabilização das PCHs no mercado, a ampliação do mercado livre, a necessária descarbonização do SEB, entre outros?

Contextualização e Moderação:

Painelistas:

10:50

Intervalo para Café

11:10

Painel 2

Sessão 1.1.4 - 23/03 - 11:10

Planejamento da expansão e inserção das UHEs, com ou sem reservatório, na matriz

O desafio da lógica da matriz elétrica – Como desenvolver ações para garantir ao SEB os investimentos necessários com descarbonização da matriz, geração de energia equilibrada e sustentável e o aproveitamento do imenso potencial hídrico inexplorado no país?

Contextualização e Moderação:

Painelistas:

13:00

Intervalo para almoço

14:30

Painel 3

Sessão 1.1.5 - 23/03 - 14:30

A Questão Ambiental - Geração Hídrica, Reservatórios e Fauna

O desafio do desenvolvimento sustentável – Como as diversas instâncias da regulamentação da questão ambiental poderiam promover o desenvolvimento dos necessários investimentos em hidrelétricas de pequeno, médio, grande portes, (fonte limpa, renovável e ambientalmente correta), com sustentabilidade ambiental e segurança jurídica, no tempo necessário?

Contextualização e Moderação:

Pedro Dias

Diretor Executivo, Cia Ambiental e Presidente do Conselho, ABRAPCH

Painelistas:

18:00

ASSEMBLEIA ABRAPCH - ELEIÇÃO DO CONSELHO

19:00

Coquetel e networking

24 de março de 2022

09:00

Painel 4

Sessão 2.1.1 - 24/03 - 09:00

CGHs, PCHs e UHEs autorizadas até 50 MW - Resgate e Priorização da Fonte

O desafio do resgaste histórico de uma fonte esquecida – Como resgatar as CGHs e PCHs na matriz elétrica Brasileira, fontes absurdamente ignoradas e marginalizadas, nestes tempos de poucas opções reais de novas UHEs no horizonte decenal, realidade inimaginável em qualquer país que tenha os recursos que temos, tendo em vista seus atributos, distribuição geográfica, serem fatores de desenvolvimento social, econômico e ambiental e solução natural para a intermitência de fontes renováveis?

Contextualização e Moderação:

Painelistas:

10:45

Intervalo para CAFÉ

11:00

Painel 5

Sessão 2.1.2 - 24/03 - 11:00

CGHs, PCHs e UHEs autorizadas até 50 MW - viabilidade econômica e mercado de energia

O desafio do mercado de energia e potência – Como desenvolver o novo mercado para CGHs, PCHs e UHEs autorizadas até 50 MW, levando em consideração a possível redução de leilões regulados pela ampliação do mercado livre, a separação de energia e lastro, o novo marco regulatório da geração distribuída (Exclusivo para CGHs e possível para PCHs, dada a sua distribuição geográfica nas próprias áreas das distribuidoras), com introdução de novas modalidades de financiamento.

Contextualização e Moderação:

Sevan Naves

Presidente, APCH – Associação das Pequenas Centrais Hidrelétrica de Goiás

Painelistas:

Roberto Zuch

Presidente Executivo, AGPCH -Associação Gaúcha de Fomento às Pequenas Centrais Hidrelétricas.

14:30

Continuidade da feira

INscreva-se

Conheça as formas de participação na V Conferência Nacional de PCHs e CGHs

Inscrição individual:

Acesso ao evento

R$ 690
  • Acesso à TODAS AS SESSÕES DO EVENTO PRESENCIAL (23 e 24 de março de 2022)
  • Acesso à área de exposição todos os dias (23 e 24 de março de 2022)
  • Acesso ao material do evento

Para sua conveniência e segurança, as inscrições para a V Conferência são feitas pela plataforma Sympla. Utilize o box a seguir indicando a quantidade de ingressos e em seguida clique no botão “comprar ingressos”.

Caso tenha um código promocional, digite-o no campo “aplicar código promocional”. 

Não quer se inscrever agora mas também não quer ficar de fora? Deixe seu nome e e-mail e lembraremos você para que não perca a oportunidade de participar.

Dúvidas? Acesse a seção  Perguntas Frequentes.

Se sua empresa requer procedimentos específicos não abrangidos pela plataforma Sympla, utilize a ficha de inscrição alternativa abaixo.

local

Teatro Up Experience – Positivo – Curitiba/PR

O Teatro Positivo, localizado em Curitiba (PR),  possui estruturas modernas concebidas e construídas dentro dos mais funcionais padrões de flexibilidade e funcionalidade para a realização dos mais variados tipos e categorias de eventos. Localizados dentro da Universidade Positivo, uma das maiores e mais bem equipadas do estado do Paraná.

AGÊNCIA CONVENIADA

A agência conveniada, Positivo Turismo, negociou tarifas promocionais de hospedagens e passagens aéreas para os participantes do evento. Entre em contato com a Positivo Turismo para planejar sua ida ao evento.

SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM

Perguntas frequentes

O que está incluso na inscrição?

Acesso ao evento,  cópia das apresentações (impressas ou na forma de download), certificado de participação (digital ou impresso) e coffee-breaks

Quais são as formas de pagamento?

Boleto bancário, depósito em conta corrente e cartão de crédito. Órgãos governamentais podem consultar a possibilidade de pagamento via empenho 

E se eu me inscrever e depois não puder comparecer?

Você poderá indicar um colega para participar em seu lugar. Caso isso não seja possível, uma carta de crédito no valor do evento com validade de um ano é emitida em seu nome. O valor não é reembolsado.

Desejo inscrever um grupo, há algum desconto?

Sim, a partir de três inscritos de uma mesma instituição o desconto é de 15%. Para empresas associadas dos apoiadores do evento o desconto é de 15%. Os descontos não são cumulativos.

Há desconto para estudantes?

Oferecemos 30% de desconto para estudantes de graduação que comprovarem o vínculo com a instituição.

Há desconto para associados das entidades apoiadoras?

As empresas associadas às entidades apoiadoras do evento têm 15% de desconto na inscrição. Entre em contato com a entidade para reivindicar seu cupom de desconto.

É possível fazer o pagamento via empenho?

Para formas alternativas de pagamento ou necessidades particulares de sua instituição, entre em contato conosco.

Haverá certificado de participação?

Sim. O certificado é emitido em formato digital.

Há desconto para hospedagem?

Trabalhamos em parceria com agências de viagens que firmam convênios para acomodação em opções nas proximidades. Ao fazer sua reserva, mencione sua participação no evento para reivindicar seu desconto.

O pagamento pode ser parcelado?

Para inscrições pelo Sympla, o pagamento no cartão de crédito pode ser parcelado.

PORQUE NA PLATAFORMA SYMPLA O EVENTO ESTÁ DATADO DE 19 DE SETEMBRO DE 2020 À 8 E 9 DE ABRIL DE 2021?

A IV Conferência Nacional de PCH e CGH foi dividida em duas etapas devido a pandemia. Desse modo, a primeira etapa será realizada virtualmente nos dias 17 e 18 de Setembro de 2020, enquanto a segunda etapa será realizada presencialmente nos dias 8 e 9 de Abril de 2021.

AS APRESENTAÇÕES SERÃO GRAVADAS E DISPONIBILIZADAS PARA O PÚBLICO?

Sim, estarão disponíveis no mesmo site cujo o evento foi realizado. 

COMO ENTRAR EM CONTATO COM OS PATROCINADORES DO EVENTO?

Ao entrar na página do patrocinador, você conseguirá clicar no logo desejado e ter acesso a várias informações a respeito daquele patrocinador, inclusive o contato deste.

Como participar dos auditórios dos patrocinadores?

Você deve entrar na programação do evento, encontrar o auditório que está buscando e clicar no botão de acesso ao link.

É POSSÍVEL TER ACESSO A LISTA DE CONTATOS DOS PALESTRANTES?

Infelizmente não é possível. Não temos autorização dos palestrantes para compartilhar estas informações.

OS MATERIAS DAS APRESENTAÇÕES SERÃO DISPONIBILIZADOS?

Os materiais estarão disponíveis no site logo após o encerramento do evento.

COMO CONSIGO FAZER PERGUNTAS AOS PALESTRANTES?

No site onde o evento será realizado há um botão que te levará diretamente para o Whatsapp, cujo o qual você deverá encaminhar sua pergunta.

COMO EDITO MEU PERFIL E INCLUO DADOS E FOTO?

No site do evento, na barra de informações a esquerda, há o botão “editar perfil”.

Fórum Nacional Eólico

Fórum Nacional Eólico

13º Fórum Nacional Eólico

Dias
Horas
Minutos
Segundos

Para assistir a transmissão do evento “Fórum Nacional Eólico” acesse:  https://youtu.be/WEfcO1db7Bw

Para receber o certificado, faça sua inscrição gratuita em: https://www.sympla.com.br/13-forum-nacional-eolico__1180630

Patrocínio Platina

Patrocínio Ouro

Patrocínio Prata

Oferecimento

Realização

O principal encontro político-econômico do setor eólico nacional

Desde a sua primeira edição, em 2009, quando foi palco da assinatura do documento de compromisso que iniciou a grande arrancada do setor eólico brasileiro, consolidando uma convergência de objetivos e definição de atribuições de cada agente, o Fórum Nacional Eólico – Carta dos Ventos se renova a cada ano, com abordagens dinâmicas, conferencistas impactantes e debates oportunos. 

Mais de dois terços das operações do setor eólico nacional estão concentradas na Região Nordeste do Brasil. Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará, Piauí e Pernambuco lideram o ranking de empreendimentos instalados e continuam atraindo novos investimentos graças à natureza pródiga, mas também em razão das ações dos governos federal, estaduais e municipais.

Venha discutir os principais aspectos regulatórios e econômicos do setor eólico no 13º Fórum Nacional Eólico – Carta dos Ventos, que acontece no dia 29 de julho de 2021 em formato online.

Programação

09
00

Palavras de abertura

Boas vindas pelo anfitrião:

Parte 1

CENÁRIOS

09
15

Projeções políticas e regulatórias para o setor eólico nacional

    • O setor de energias renováveis pós-pandemia
    • Projeções e ajustes regulatórios para o setor de energias renováveis
    • Políticas estaduais para desenvolvimento do setor
    • Nova PL do Licenciamento Ambiental e os impactos para os projetos de energia eólica

Com a participação de:

Contextualização e moderação:

10
45

Sustentabilidade e a energia eólica

    • As mudanças previstas no licenciamento ambiental de empreendimentos eólicos
    • Energia eólica e os desafios para adequação às metas ESG das empresas
    • Licença social no setor de energias renováveis
    • Desafios para implementação dos projetos socioambientais em empreendimentos eólico
    • Descomissionamento de empreendimentos

Com a participação de:

Moderação e contextualização:

12
15

Transição Energética e os projetos de energia eólica

    • Desafios tecnológicos 
    • Tendências de projetos de pesquisa e desenvolvimento 
    • Novas tecnologias na construção de parques
    • Projetos de Operação e Manutenção (O&M)

Com a participação de:

13
45

Intervalo

Parte 2

PROJETOS

14
00

Panorama e características dos novos negócios no setor eólico nacional

Com a participação de:

Contextualização e moderação:

15
30

Energia eólica offshore: Regulamentação e desafios estruturais para implementação de projetos

    • Avanços no Projeto de Lei das Eólicas Offshore
    • Estimativas do potencial offshore das eólicas no Brasil
    • Necessidades de desenvolvimento da infraestrutura de linhas de transmissão, infraestrutura portuária e apoio offshore
    • Compatibilidade das diretrizes do licenciamento ambiental aos projetos offshore

Contextualização:

Com a participação de:

Moderação:

17
00

Comercialização de Energia

    • A expansão do setor eólico nacional via projetos no mercado livre
    • Tendências para o mercado livre: bolsas de energia e derivativos de energia
    • Como os empreendimentos de energia eólica estão se adaptando com o início da vigência do PLD horário
    • Gestão de riscos em projetos eólicos

Com a participação de:

18
00

Desafios para a viabilidade e estruturação financeira de novos projetos eólicos

    • Alternativas de financiamento para o setor de energias renováveis
    • O Project finance e o setor eólico
    • Desafios regulatórios e financeiros para a viabilização de parques híbridos e armazenamento de energia
    • Créditos de carbono e Greens bonds (títulos verdes)

Com a participação de:

19
00

Encerramento do 13º Fórum Nacional Eólico

Exemplos de quem participou das edições anteriores

ABEEólica • Atlantic Wind Power • Assembléia Legislativa • Aeroespacial • AECOM • Barlovento • BNB Brennand • Brookfield Energia • BASF • Câmara dos Deputados • Case Consultoria • CBC Construtora CTGAS-ER • COSERN • Conectron • Countour Global • COPEL • Cortez Engenharia • CPFL Renováveis CREA • Cruz Tower • Dois A Engenharia • EBRASIL • Ecocil • Ekoenge • ENEL • ENEX • Engemat • FIERN • Fugro • Gamesa • GM Engenharia • Gyro Energia • Hobeco • Honda Energy • IDEMA • IER • IFRN • Inframerica • Lafarge • Nacional Gas • New Wind • Petrobras • Power Guindastes • Ramboll • RB Energia • RG Salamanca • S.Wind • Satrix Energias Renováveis • SEBRAE • SIMM Soluções • Sowitec Siemens • Solida Energias Renováveis • Spin Engenharia • Swind Engenharia • Thymos Energia • Voltalia • VLB Engenharia • WM Construções e Montagens • Zanini Renk • Zago Engenharia

Autoridades e especialistas em um debate enriquecedor sobre o futuro do setor eólico nacional

O Fórum Nacional Eólico – Carta dos Ventos reúne um time de especialistas que está no centro das decisões do presente e futuro do setor eólico.

Patrocinadores de edições anteriores

Eletrobras • FINEP • Governo do Estado do RN • CPFL Renováveis • COPEL • Enel Green Power • Iberdrola Neoenergia (Força Eólica do Brasil) • Gestamp • EDP • Serveng • Voltalia • Renova • Banco do Nordeste • Ambientare • Arcadis • Geonor • Wobben • Vestas • Machado Meyer Advogados

Inscrição: Fórum Nacional Eólico 2021

29 de julho / quinta-feira (online)

A inscrição é requerida para emissão do certificado de participação (carga horária: 10h).

Compartilhe o evento em suas redes:

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter

2020

Congresso Ambiental e LASE

Exclusivamente realizados em conjunto para 2020

Evento Híbrido

Presencial e também com transmissão ao vivo
confirmado

Mantenha-me informado

Patrocínio Platina

Patrocínio Ouro

Patrocínio Prata

Parceiros de Conteúdo Jurídico

Expositores

0 %
Avaliaram o conteúdo como "Excelente ou Bom"
0 %
Pretendem participar da próxima edição
0 %
Recomendam este evento a outros executivos

Redefinindo os

eventos ambientais

Mais de mil participantes

A iniciativa reúne representantes do governo nas esferas federal, estadual e municipal, profissionais das áreas de meio ambiente, sustentabilidade, engenharia e projetos de indústrias de diversos setores, líderes e analistas de órgãos ambientais e entidades envolvidas com a temática ambiental, especialistas e acadêmicos, além de toda a cadeia de equipamentos, produtos e serviços voltados à eficiência dos processos e à disseminação das melhores práticas socioambientais no país.

50 sessões de conteúdo

O encontro se tornou, em pouco tempo, um palco para troca de experiências em um ambiente que apoia a tomada de decisões de empreendedores e facilita o aprendizado e debate de temas da vanguarda da sustentabilidade, com diferentes visões, de forma imparcial e construtiva. Além disso, criou um espaço acolhedor que incentiva o networking, a efetivação de novos negócios, a reunião de amigos e a reflexão sobre o futuro das práticas ambientais e de políticas públicas sustentáveis.

Um fusão de dois eventos

em uma ocasião extraordinária

O Congresso Ambiental VIEX e o LASE, Licenciamento e Gestão Socioambiental do Setor Elétrico são os mais significativos encontros de líderes e executivos com atuação ligada às temáticas ambientais. 

Exclusivamente em 2020, os dois encontros serão realizados de maneira consecutiva, no mesmo local, permitindo a participação nos dois encontros de maneira mais cômoda e segura. O LASE será realizado no dia 23 de novembro e o Congresso Ambiental, nos dias 24 e 25. Todos os participantes terão acesso aos dois eventos. 

uma plataforma de
conhecimento e networking

Quem foi, disse:

Vídeo da primeira etapa (online) – Agosto 2020
com mais de três mil espectadores ao vivo

Vídeo da edição 2018

Reproduzir vídeo

Vídeo da edição 2019

Reproduzir vídeo

Conteúdo programático

temas 2020

Energia Elétrica

Geração, transmissão e distribuição

Gás e Petróleo

Exploraçao, produção e transporte

Mineração e Metalurgia

Segurança e gestão

Bancos

Responsabilidades, linhas de crédito

Transporte Terrestre

Expansão da malha ferroviária e rodoviária

Trasporte Aquaviário

Portos, terminais e hidrovias

Agronegócio

Código Florestal, aspectos fundiários, biossegurança e patrimônio genético

Alimentos e Bebidas

Envolvimento do consumidor, práticas internacionais e legislação

Papel e Celulose

Sistemas florestais, silvicultura e programas ambientais

Manufatura

Segurança ambiental, gestão de efluentes e emissões

Tecnologia e Comunicações

Software e hardware para o mercado de meio ambiente

Indústria Automotiva

Eletrificação e tendências de mobilidade

Saneamento e Resíduos

Políticas públicas, legislação e práticas

Cidades Inteligentes

Mobilidade, tecnologias e qualidade ambiental urbana

Construção e Incorporação

Projetos e desafios

Múltiplas possibilidades

Presencial e Online

Os participantes e palestrantes poderão optar, até o momento do evento, se desejarão comparecer presencialmente aos encontros, dentro dos mais elevados padrões de segurança sanitária, ou se preferem a conveniência de assistir, e interagir, de maneira remota e ao vivo pela internet.

Quem desejar comparecer presencialmente encontrará espaçamento entre as cadeiras e mesas, staff testado munido de EPIs, estandes distanciados, ampla disponibilização de álcool em gel, medição de temperatura de todas as pessoas presentes, ventilação natural e constante desinfecção dos sistemas de climatização e demais protocolos que excedam os mais elevados critérios de segurança.

Congresso
ambiental
2020

O evento

agenda

palestrantes

patrocine

insreva-se